Você está em:
Libras
Acessibilidade
Fechar
Baixe nosso aplicativo e tenha seus resultados e serviços na palma da sua mão.

Perguntas frequentes

Loading animation placeholder

Nenhum resultado encontrado.

Tópicos que podem te ajudar:

O Ministério da Saúde recomenda a utilização de máscaras caseiras ao sair de casa com a finalidade de auxiliar o combate à propagação do vírus.

As máscaras são eficazes somente quando usadas em combinação com a limpeza frequente das mãos com água e sabão ou higienizadas com álcool em gel 70%. As máscaras devem ser amarradas atrás da cabeça, cobrir completamente nariz e boca e ficar rente à bochecha; e devem ser trocadas sempre que ficarem úmidas (em aproximadamente 2 horas). Após o uso, retire-as de trás para frente, descarte-as em local adequado e lave as mãos.

Manter a pessoa em ambiente restrito, com mínimo contato com outras pessoas do domicílio. Além disso, é importante manter o ambiente limpo e arejado constantemente. Os demais moradores devem evitar contato com talheres e roupas do paciente, que precisam ser higienizadas separadamente. Se houver idosos no mesmo local, considere remover a pessoa doente ou os idosos para um ambiente mais seguro.

As pessoas em convívio com alguém confirmado, mesmo não estando com sintomas ou tendo diagnóstico positivo, também devem evitar sair de casa para não expor outras pessoas ao vírus.

Não. Os médicos tratam os sintomas para evitar o agravamento da doença e reduzir o desconforto.

Pacientes com desconforto respiratório precisam de internação e podem precisar de suporte em unidade de terapia intensiva.

Embora os estudos científicos na área sejam escassos e recentes, ainda não há evidências de transmissão do coronavírus através do leite materno. É importante o uso de máscaras e álcool gel 70%, além de discutir com o seu médico a melhor alternativa neste momento tão delicado.

Elas são tão vulneráveis quanto os adultos. Portanto, é importante seguir medidas de prevenção recomendadas. Caso apresentem sintomas, sem problemas respiratórios, é melhor deixá-lo em casa e fazer o tratamento convencional, com analgésico. Hospitais devem ser evitados para não entrar em contato com potenciais infectados. Somente com sintomas mais graves, como falta de ar forte, é necessário procurar um médico.


A infecção por coronavírus pode, sim, desencadear um ataque de asma, segundo fundação de estudos sobre a doença no Reino Unido. A entidade recomenda o uso de inalador preventivo diário, como recomendado pelo médico particular, para evitar riscos.

Os pacientes com câncer devem evitar contato com qualquer pessoa que tenha sintomas gripais e/ou que esteja em investigação para possível infecção pela COVID-19. Devem também evitar contato com pessoas que estejam chegando do exterior, com ou sem sintomas gripais.

- Evitar ambientes fechados e principalmente aglomerações.

- Evitar contato físico, como cumprimentar com beijos e abraços.

- Visitas hospitalares devem se restringir àquelas estritamente necessárias.

- Higienizar regularmente as mãos com álcool gel 70% por 20 a 30 segundos ou lavar com água e sabão por 40 a 60 segundos. Evitar tocar nos olhos, nariz e boca. Cobrir com o antebraço o nariz e boca ao tossir ou espirrar.

- Não interrompa sob NENHUMA HIPÓTESE seu tratamento oncológico. Converse com seu médico sobre a melhor forma de você continuar realizando o seu tratamento sem correr riscos.

- Caso apresente sintomas sugestivos de infecção pelo coronavírus, como febre, coriza, tosse seca e falta de ar, entrar em contato imediato com seu médico ou procurar um serviço de saúde.

A coleta é simples, realizada por meio de uma amostra de secreção nasal ou saliva. Nossa equipe realiza o teste em hospitais (pacientes internados), coleta domiciliar ou em unidades exclusivas COVID-19.

As unidades dedicadas para coleta de exames para COVID, são totalmente preparadas para controle de fluxo de pessoas, higiene, desinfecção e precaução de contato.

Para realizar a coleta:

- Se realizado na modalidade particular, não requer pedido médico;

- É necessário ir até a unidade SABIN utilizando a própria máscara;

- Não é recomendado levar acompanhantes, para evitar aglomeração de pessoas no ambiente do laboratório, salvo casos de pessoas que necessitem de acompanhamento.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) definiu que este teste deve ser coberto pelos convênios. Existem negociações pontuais sendo realizadas entre prestadores de serviço e laboratórios, mas a maioria dos acordos já foram acertados. Então, boa parte dos indivíduos que possuem convênio vão conseguir fazer o exame do coronavírus por meio desse serviço.?

Evite tempo de espera na Central de Atendimento consultando com antecedência sua operadora de saúde sobre a cobertura deste exame.

Nos estágios iniciais da infecção (sem sintomas), é possível que o vírus não seja detectado. Contudo, um resultado negativo para amostras coletadas enquanto uma pessoa apresenta sintomas, provavelmente significa que o vírus COVID-19 não está causando a doença atual.

Ambos os testes detectam a presença do vírus SARS-CoV-2 no organismo. A diferença está na análise: o PCR (considerado padrão ouro) detecta o RNA do vírus, enquanto a Pesquisa de Antígenos avalia a proteína. Além disso, o segundo exame é realizado como uma alternativa em situações que não se pode aguardar o tempo de liberação do PCR, como urgências hospitalares, por exemplo.

Alguns convênios cobrem o teste de Pesquisa de Antígenos SARS-CoV-2. Recomendamos que sempre consulte a cobertura do seu plano de saúde junto à operadora do serviço antes de realizar os procedimentos.

A principal diferença é que esse é um teste que avalia a função de ligação da proteína do vírus (Spike) e da proteína humana (ACE2). Nesse exame, qualquer tipo de anticorpo que iniba a ligação entre essas duas proteínas vai positivar o teste. Ele não precisa ser designado especificamente para detectar uma proteína ou um anticorpo específico como nos outros exames.

Pessoas que suspeitamente tiveram COVID-19 e não obtiveram confirmação de diagnóstico por um método de diagnóstico precoce e pessoas que desejam saber se apareceram anticorpos após a vacinação.

Basicamente, é uma amostra de sangue habitual, como realizado em outros exames de rotina. O material coletado é analisado em um sistema automatizado no laboratório e o resultado é disponibilizado em poucos dias.

O teste avalia a inibição da ligação entre o vírus e a célula do hospedeiro. Dessa forma, ele é medido em porcentagem, variando de 0 a 100%.

- Inferior a 20%: Não detectados neutralizantes.

- Entre 20% e 29%: Indeterminado. Resultado inespecífico ou indica contato prévio com SARS-CoV-2 (correlacionar com dados clínico-epidemiológicos).

Superior a 30%: Presença de neutralizantes.

O teste molecular RT-PCR detecta RNA do vírus SARS-CoV-2 pelo método convencional, em equipamentos grandes e capazes de fazer longas rotinas. Já o teste chamado PCR Express, também detecta o RNA do vírus SARS-CoV-2 (em um método que faz a identificação do RNA por meio de amplificação isotérmica, com um método também molecular), mas que utiliza uma tecnologia modificada, capaz de detectar o vírus em um equipamento menor e com maior agilidade, considerado um Point of Care.

É uma tecnologia registrada pelo FDA e ANVISA, validado e aprovado pelo Núcleo Técnico do Laboratório Sabin, garantindo assim especificidade e sensibilidade adequada para a detecção do vírus em alguns minutos.

A maior diferença entre os exames, porém, está no tempo de reação, refletindo diretamente no prazo de entrega do resultado.

Brasília

Unidade hospitalar: Unidade Hospital Alvorada (Asa Sul) e Unidade Hospital Daher (Asa Sul).

- Demais regiões:

Em algumas regiões, o PCR Express pode ser realizado em unidades convencionais, unidades COVID-19 ou por atendimento móvel (domicílio). Antes de solicitar o seu exame, consulte as modalidades de atendimento disponíveis na Central de Atendimento: (61) 4004.8002.

A principal diferença é a forma de realizar. O teste rápido é realizado por imunocromotografia e obviamente tem a grande vantagem de ter um resultado rápido naquele momento, mas ele não permite comparação de resultados. É apenas qualitativo, é sim ou não. Já os testes sorológicos convencionais, realizados em equipamentos (por elisa ou quimioluminescência), soltam o resultado que pode ser comparado e acompanhado prospectivamente e apresentam melhor sensibilidade do teste.

Existem quatro grupos principais de imunoglobulinas e, entre elas, estão a IgG e a IgM. Então, seja IgM ou IgG, a resposta e a conclusão que se tem de um exame positivo é: o indivíduo teve contato com o vírus em algum momento. Se for IgM positivo, possivelmente (o contato) foi há pouco tempo e pode desaparecer logo, ou até mesmo aparecer ao mesmo tempo que o IgG. Se for IgG positivo, o anticorpo é mais persistente e fica presente por algum tempo como marcador de contato ou doença pregressa.

Não podemos dizer que um indivíduo que tem IgG positiva, é um indivíduo que tem proteção, por exemplo, para um novo episódio de infecção pela COVID-19.

A sorologia, em suma, tem a função de identificar o indivíduo que teve contato com o vírus. A principal diferença entre os exames está na avaliação: a Dosagem de Anticorpos Totais analisará a resposta imune do paciente de forma geral, detectando a presença de anticorpos independente de suas classes. Já as demais sorologias, classificam quais tipos de anticorpos estão presentes no organismo.

Cabe ao médico responsável pelo seu atendimento escolher o tipo de exame adequado para você.

Alguns convênios cobrem os exames de Anticorpos Totais e as sorologias quantitativas IgG e IgM/IgG (dupla). Recomendamos que sempre consulte a cobertura do seu plano de saúde junto à operadora do serviço antes de realizar os procedimentos.?

Você pode realizar as sorologias em todas as nossas unidades de atendimento e por coleta domiciliar.

Caso sejam realizados na modalidade particular, os exames não requerem apresentação do pedido médico.

Acesse o menu “Minha conta” e clique na opção “Esqueci meus dados de acesso”. Informe o e-mail cadastrado e clique em “Enviar”. Um e-mail será encaminhado a você com as orientações de como recuperar a sua senha.

Caso não possua um CPF, entre em contato com a Central de Atendimento pelo nosso WhatsApp: (61) 4004.8002.

As notas fiscais são enviadas automaticamente para o seu endereço de e-mail. Caso não tenha recebido, faça a solicitação clicando AQUI e selecionando Nota Fiscal no campo ASSUNTO

Caso não tenha recebido seu voucher, você pode solicitar clicando AQUI e depois selecionar "Emissão de Voucher" no campo ASSUNTO. Você também pode falar com um dos nossos colaboradores na Central de Atendimento, pelo WhatsApp: (61) 4004.8002.

A validade do voucher é de 15 dias corridos.

Para renovação da validade do voucher,  você pode solicitar clicando AQUI e depois selecionar "Emissão de Voucher" no campo ASSUNTO. Você também pode falar com um dos nossos colaboradores na Central de Atendimento pelo WhatsApp: (61) 4004.8002.

O prazo de validade do voucher pode ser estendido por mais 15 dias.

Para cancelar uma compra você deve solicitar clicando AQUI e depois selecionar "Cancelamento" no campo ASSUNTO, informando os seus dados e o motivo do cancelamento, bem como o número do pedido. Você também pode falar com um dos nossos colaboradores na Central de Atendimento pelo WhatsApp: (61) 4004.8002.

Conforme nota técnica Nº 1.203/2021, do Ministério da Saúde, as vacinas covid-19 poderão ser administradas de maneira simultânea com as demais vacinas ou em qualquer intervalo.

A loja virtual do Sabin trabalha com as opções de pagamento em cartões de débito e crédito e via Pix, por meio de QR Code.

Caso a bandeira do seu cartão não esteja disponível na opção de pagamento, entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002.

Consulte os horários de funcionamento dos drive-throughs disponíveis na sua região clicando AQUI.

Clique AQUI e informe seu usuário e senha nos campos indicados.

Fique atento(a): O login (acesso) para compras na loja virtual não é o mesmo para acesso aos resultados de exames. Em caso de dúvidas, contate a Central de Atendimento pelo WhatsApp (61) 4004.8002.

Entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002.

Entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002.

As regras de embarque podem variar de acordo com a empresa de viagem contratada. Para checar a validade do seu exame, entre em contato com a companhia aérea.

Durante a compra do produto na loja virtual, selecione a opção “#VemSabin” e finalize o seu pedido normalmente. A equipe responsável pelos atendimentos móveis entrará em contato em até 3 dias úteis para agendar o serviço.

Entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002.

Entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002.

Entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002.

Entre em contato com a Central de Atendimento, informe os dados de compra do produto e os dados do seu passaporte para atualização do seu cadastro. Chame pelo WhatsApp: (61) 4004.8002.

Entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002

A equipe responsável pelos atendimentos móveis entrará em contato em até 3 dias úteis após a solicitação para agendar o seu serviço.

Entre em contato com a Central de Atendimento para verificar a possibilidade de ajuste dos dados. Chame no WhatsApp: (61) 4004.8002.

Compras na loja virtual exigem que informe um número de CPF no cadastro. Caso não possua um CPF, entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Nosso WhatsApp é (61) 4004.8002.

Compras na loja virtual exigem que informe um número de CPF no cadastro. Caso o seu filho não possua um CPF, entre em contato com a Central de Atendimento para receber orientações. Nosso WhatsApp é (61) 4004.8002.

Não. Para receber a vacina, é necessário que o indivíduo esteja sem febre há pelo menos 48 horas (2 dias).

Para renovação da validade do voucher, você pode solicitar clicando AQUI e depois selecionar "Emissão de Voucher" no campo ASSUNTO. Você também pode falar com um dos nossos colaboradores na Central de Atendimento, pelo WhatsApp: (61) 4004.8002.

O prazo de validade do voucher pode ser estendido por mais 15 dias.

Não. Neste caso, a compra é cancelada e o valor pago é devolvido ao cliente. Entre em contato com a Central de Atendimento para receber mais orientações, pelo WhatsApp (61) 4004.8002.

Caso a equipe responsável pelo atendimento móvel não entre em contato no prazo de até 3 dias úteis após a solicitação de agendamento, clique AQUI e envie uma mensagem para relatar o problema.

Você também pode falar com um dos nossos colaboradores na Central de Atendimento pelo WhatsApp (61) 4004.8002.

Na unidade Vega, a entrega de resultados segue os horários abaixo:

Segunda a sexta: 07h às 22h
Sábados e domingos: 07h às 19h

Nas unidades Prime e CE, a entrega de resultados segue os horários abaixo:

Segunda a sexta: 07h às 19h
Sábados: 07h às 12h

Não é recomendável que mulheres grávidas realizem estes exames por causa da radiação. Eles são realizados apenas em casos considerados graves.

Contraste é uma substância à base de iodo que é injetada no sistema venoso do paciente para opacificar e mostrar com mais detalhe os vasos e órgãos estudados.

Quando o contraste é injetado o paciente poderá sentir calor e leve vontade de urinar, sendo essas reações consideradas normais.

Não, são apenas maneiras diferentes de definir o mesmo exame.

O paciente pode pegar o laudo em qualquer unidade. Porém, as imagens poderão ser retiradas apenas na unidade que o paciente realizou o exame, como por exemplo, Vega ou RA.

Somente na unidade RA. Para realização de exames com sedação, a solicitação deve ser feita e estar descrita pelo médico.

Todas as vacinas passam por um processo de aprovação antes de serem utilizadas nos serviços de saúde. Durante o desenvolvimento, precisam passar por todas as fases recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, com testes e estudos que garantam a segurança e eficácia das doses.

Não. Essa informação foi divulgada por um estudo publicado em 1998, motivado por interesses comerciais e sem evidências consistentes. Inúmeras pesquisas atuais comprovam que não há ligação entre vacinas e o autismo/transtornos autistas.

Não. As vacinas possuem os mesmos componentes que causam a doença, mas são enfraquecidos ou mortos. Assim, estimulam nosso corpo a produzir anticorpos e nos trazer imunidade. As reações adversas temporárias que algumas pessoas podem sentir após a vacinação, como braço dolorido e febre ligeira, são apenas um sinal de que o sistema imunológico está funcionando.

Devido às mutações genéticas pelas quais o vírus passa ao longo do tempo, o nosso sistema imune não reconhece o vírus modificado e, assim, não temos defesa contra ele. Todos os anos uma nova vacina é produzida considerando as novas variantes que mais causaram infecção em todo o mundo, como a variante Darwin da cepa H3N2, por exemplo.

A vacina da rede privada é quadrivalente, oferecendo proteção ampliada contra quatro tipos de vírus que causam a doença. Entre eles, está o vírus Influenza tipo B cepa Yamagata, que possui maior circulação entre as crianças. Já a vacina da rede pública é a trivalente, ou seja, inclui apenas três tipos de vírus que causam a gripe.

Na versão de 2022, foi introduzida a nova cepa do subtipo A da Influenza, a H3N2 (Darwin). Descoberta na Austrália, ela foi responsável por surtos regionais no Brasil no início do ano.

A gripe é uma infecção aguda que atinge, mundialmente, mais de 600 milhões de pessoas todos os anos. Segundo a Organização Mundial de Saúde, aproximadamente 650 mil pessoas infectadas evoluem de forma grave e apresentam complicações.

A doença pode evoluir e prejudicar o funcionamento de órgãos distintos como pulmões, cérebro e até o coração. Pessoas com o sistema imunológico comprometido estão mais sujeitas a contraírem infecções graves em decorrência da gripe, como a pneumonia, que também é prevenida por vacinação específica.

A vacina é indicada a todos os adultos, adolescentes, idosos e crianças a partir dos 6 meses de idade (sobretudo, acima dos 5 anos). Também é recomendada para pessoas de risco clínico e portadores de comorbidades – Doenças crônicas: respiratórias, cardíaca, renal, neurológica; Diabetes mellitus tipo I e II; Imunossupressão; Imunodeficiência; Transplantados (órgãos sólidos e medula óssea) e portadores de trissomias.

Compra: loja virtual e unidades de vacinação Sabin.

Aplicação: Atendimento móvel e unidades de vacinação Sabin. Em Brasília, os clientes possuem a opção de atendimento através do VEM Sabin. Clique aqui e saiba mais sobre o VEM Sabin.

Atualmente, não há evidência de que as vacinas desenvolvidas para outras condições clínicas protejam contra a Covid-19.

Fonte: Organização Mundial da Saúde (OMS)


Conforme nota técnica Nº 1.203/2021, do Ministério da Saúde, as vacinas contra a Covid-19 podem ser administradas de maneira simultânea com os demais imunizantes ou em qualquer intervalo entre doses.

As vacinas contra a Covid-19 ainda não estão disponíveis para a venda no Brasil. Até o momento, a vacinação é oferecida apenas pelo SUS, de acordo com o calendário vacinal de cada região.

No Brasil, as autoridades em saúde recomendam que as duas primeiras doses da vacina sejam do mesmo fabricante. A dose de reforço deve ser administrada conforme esquemas e combinações divulgadas pelo Ministério da Saúde.

Como a duração da proteção gerada pela própria doença é desconhecida e por existir a possibilidade de reinfecção, ainda que rara, a vacinação é indicada independentemente de histórico de doença ou infecção pelo SARS-CoV-2.

Contudo, para vacinar, é necessário aguardar - no mínimo - quatro semanas após o início dos sintomas ou do primeiro resultado positivo no exame RT-PCR.

Fonte: Sociedade Brasileira de Imunização – SBIm

A Dengue é a arbovirose* urbana com maior prevalência no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. É considerada uma doença febril em razão dos sintomas que pode apresentar e pode ocorrer ao longo de todo o ano, tendo incidência maior nas épocas mais chuvosas de cada região.?

*Doença viral transmitida, principalmente, por mosquitos.

O vírus da Dengue é transmitido pela picada de fêmeas do mosquito Aedes Aegypti. O mosquito pica uma pessoa infectada, torna-se um transmissor e, ao picar outro indivíduo, passa o vírus para a pessoa saudável.

Todos estão suscetíveis de pegar a doença. Porém mais de 70% dos casos prováveis de dengue são de adolescentes e adultos. Idosos, pessoas com doenças crônicas e imunocomprometidas estão entre aqueles com maior risco de evoluir para um caso grave de Dengue.

Os sintomas comuns de dengue são: febre alta, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dores musculares, no corpo e nas articulações e manchas vermelhas pelo corpo.

A Dengue ocorre em três fases (febril, crítica e recuperação) e pode durar até 10 dias. Em geral, o primeiro sintoma a se manifestar é a febre alta e constante, seguida de dores nas articulações e outros sintomas.

Nos casos graves, podem ser observadas dores abdominais, além de náuseas, vômitos, hemorragia na pele e nas mucosas (dengue hemorrágica).

Sim. Existem quatro sorotipos da Dengue (DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4) e todos são transmitidos da mesma forma. Uma pessoa pode ter até quatro vezes a doença, cada vez sendo infectada por um tipo diferente do vírus.

Além da vacinação, uma das formas de se prevenir contra a doença é eliminar locais e objetos que possam acumular água parada para evitar a criação dos ovos de mosquito. A utilização de mosquiteiros sobre as camas e telas nas janelas e portas também é eficaz.

Em casos de viagens para locais de maior transmissão da doença, recomenda-se o uso de roupas compridas e repelentes.

Não existe um tratamento específico para Dengue. Em casos mais leves da doença, os sintomas são tratados com repouso, hidratação e uso de analgésico. Em casos mais graves, pode haver necessidade de cuidados intensivos e até mesmo internação. De toda forma, realizar exames e obter orientação médica é fundamental para a cura da dengue.

Acesse a página Relação de Exames para pesquisar as informações sobre o exame desejado. Caso prefira, você também pode falar conosco pelo WhatsApp para saber mais sobre o preparo e demais instruções. Envie uma mensagem para o número (61) 4004-8002.

Para realizar a sua cotação, você pode entrar em contato conosco por meio da Central de Atendimento ou do nosso WhatsApp. Também é possível consultar preços e realizar a compra dos exames em nossa Loja Virtual.

Encontre a unidade mais próxima de você e consulte o horário de funcionamento, os serviços e os diferenciais oferecidos na página de Unidades.

Nós atendemos uma ampla carteira de convênios em nossas unidades. Para consultar as operadoras conveniadas, acesse a página de Convênios e faça uma busca.

Sim! Com o VEM Sabin, nós vamos até você. Tome suas vacinas e faça os seus exames em casa, no trabalho e até na maternidade. Tudo isso com a segurança e a qualidade que o Sabin oferece! Acesse a página de Agendamentos e solicite o atendimento móvel na data desejada.

Sim! Consulte o laboratório mais próximo em nossa página de Unidades, verifique o horário de atendimento e coleta, e dirija-se ao local.

Ao realizar um exame, nossos profissionais entregam a você um protocolo com o login de usuário e senha de acesso. Use essas credenciais para fazer o login na página Resultados de Exames e acessar os seus laudos. Você também pode visualizá-los em nosso aplicativo, disponível para Android e iOS.

Para recuperar a senha e verificar os laudos, acesse este site, preencha os dados e aguarde o e-mail com a nova senha. Caso haja alguma dúvida, entre em contato conosco por meio da Central de Atendimento ou do WhatsApp.

Devido à gama de exames genéticos oferecidos, cada pedido precisa ser avaliado individualmente. Entre em contato conosco por meio da Central de Atendimento ou do WhatsApp para receber as orientações específicas para o seu caso. Acesse os nossos canais na página Fale com o Sabin.

Alguns exames genéticos podem ter previsão de cobertura pelas operadoras de planos de saúde. Geralmente, os testes cobertos e condições necessárias para assegurar a cobertura são discriminados pelo Rol de Procedimentos das Diretrizes de Utilização da ANS.

O prazo estimado para realização dos testes leva em conta o tempo necessário para processamento da amostra, sequenciamento, análise dos dados e elaboração do laudo. Você pode informar a necessidade de antecipação, mas, devido às peculiaridades do exame, nem sempre será possível a entrega do resultado antes do prazo estipulado anteriormente.

Sim. Caso o registro do médico no CRM esteja no pedido, basta que o profissional acesse o aplicativo do Sabin ou o Portal dos Médicos e ele terá acesso aos laudos dos pacientes.

Nossa Assessoria Científica conta com o suporte de médicos geneticistas para esclarecer eventuais dúvidas. Porém, devido à necessidade de correlação do resultado com os dados clínicos, o ideal é que o médico solicitante entre em contato com a equipe para esclarecer eventuais dúvidas.

Devido à peculiaridade das classificações de variantes e às atualizações de diretrizes que orientam essas classificações, a interpretação de uma variante pode ser modificada caso haja novas evidências científicas.

Para realização de exames diagnósticos, o pedido médico é obrigatório. O ideal é que seja um pedido médico atualizado, mas não existe validade do pedido no caso de exames particulares. Para exames cobertos pelos planos de saúde, a validade é de 30 dias.

Exames genéticos são testes que analisam o material genético em busca de alterações que possam justificar o quadro apresentado pelo paciente. São testes realizados com indicação clínica com o intuito de confirmar um diagnóstico. A partir de um diagnóstico, várias medidas, como acompanhamento clínico adequado, aconselhamento genético e até mesmo definição de tratamentos adequados poderão ser adotados.

O exoma é a parte do nosso conjunto completo de material genético (genoma) que codifica proteínas. Geralmente, corresponde a 1,5 a 2% do nosso genoma completo. A maior parte das alterações genéticas que determinam condições clínicas estão localizadas nessas regiões codificantes, o que justifica essa análise específica durante uma investigação diagnóstica.

Quem define o teste diagnóstico mais indicado para cada caso é o médico assistente, que vai solicitar o exame de acordo com a indicação clínica.

Para exames diagnósticos, são necessários o pedido médico e o termo de consentimento assinado.

Exames genéticos podem ser solicitados por qualquer médico, independente da especialidade.

O Sequenciamento de Nova Geração é um método em que o DNA é sequenciado, formando vários fragmentos de leitura que serão alinhados ao genoma humano de referência.

Outro nome do método é Sequenciamento Massivo Paralelo, já que permite o sequenciamento simultâneo de milhares de regiões do DNA.

A partir dos dados obtidos, é realizada uma análise criteriosa em busca de variantes genéticas que possam estar relacionadas a condições clínicas.

O exame pode ser realizado logo após o nascimento do bebê, ainda na maternidade. O ideal é que seja coletado nos primeiros 20 dias de vida, período em que também é incluído o rastreamento para infecção congênita por CMV (citomegalovírus).

Não há contraindicação de coletas tardias, mas algumas doenças se manifestam precocemente e, para um melhor diagnóstico, recomenda-se que o Teste Genético da Bochechinha seja realizado até o primeiro ano de vida da criança.

A amostra é coletada de forma indolor utilizando um swab (espécie de cotonete). Após a chegada da amostra no laboratório, o DNA é extraído, fragmentado e sequenciado pelo método de Sequenciamento De Nova Geração. Os dados obtidos são alinhados ao genoma humano de referência e depois são analisados, em busca de variantes que possam estar associadas a condições clínicas. Após a análise, é elaborado um laudo e disponibilizado ao paciente.

Embora o exame seja idealmente realizado por swab oral, o exame pode excepcionalmente ser realizado a partir de amostra de sangue. Entretanto, nessa situação, o rastreamento para infecção congênita por citomegalovírus não será incluído.

Não. Os exames de triagem neonatal são complementares e o Teste do Pezinho é um exame obrigatório. Ou seja, algumas doenças que não são detectadas no Teste do Pezinho são reveladas com o Teste Genético da Bochechinha e vice-versa.

Além disso, como utilizam diferentes metodologias para análise do material biológico, recomenda-se que ambos os exames sejam realizados, para que o seu bebê tenha um diagnóstico preciso e os melhores cuidados possíveis.

Não. O Teste Genético da Bochechinha é um exame com finalidade clínica, que atua como uma complementação à triagem neonatal. Ele não é, de forma alguma, um teste de ancestralidade.

Caso seja identificado alto ou moderado risco para o desenvolvimento de condições genéticas, recomendamos que consulte um especialista imediatamente. É muito importante que seu bebê seja acompanhado por um pediatra para que possa receber um cuidado integral e personalizado.

Sim. Nosso ecossistema de saúde contempla um amplo portfólio de exames genéticos. Contamos com uma equipe altamente qualificada e um parque tecnológico de última geração para oferecer resultados de alta qualidade.

Exames genéticos são testes que analisam o material genético em busca de alterações que possam justificar o quadro apresentado pelo paciente. São testes realizados com indicação clínica com o intuito de confirmar um diagnóstico.

Quem define o teste diagnóstico mais indicado para cada caso é o médico assistente, que vai solicitar o exame de acordo com a indicação clínica.

O vírus sincicial respiratório (VSR) é uma das maiores causas de infecções respiratórias em recém-nascidos e crianças pequenas, sobretudo bebês. É um dos principais vírus associados à bronquiolite, quadro caracterizado pela inflamação dos bronquíolos — pequenas e finas ramificações dos brônquios, que transportam o oxigênio até o tecido pulmonar.

A infecção por VSR pode causar quadros graves, que demandam internação, em adultos mais velhos. Além disso, é capaz de levar à piora ou à descompensação de condições de saúde pré-existentes, como cardiopatias, pneumopatias, diabetes, hepatopatias e nefropatias.

A maioria dos adultos apresenta uma infecção leve do trato respiratório superior pelo VSR, com sintomas semelhantes aos do resfriado, que duram apenas alguns dias. Alguns, no entanto, desenvolvem doenças graves do trato respiratório inferior, incluindo pneumonia, sobretudo a partir de 60 anos de idade.

Além disso, a infecção pelo VSR em indivíduos com 60 anos ou mais pode piorar ou descompensar doenças crônicas pré-existentes. Isso leva a taxas de internação mais altas e, consequentemente, à deterioração do quadro geral de saúde, com perda de independência, declínio cognitivo, e prejuízos na funcionalidade e na qualidade de vida no período posterior à doença.

O diagnóstico é clínico, mas a identificação e confirmação do VSR é feita por exames laboratoriais, entre os quais testes rápidos e ensaios moleculares (como PCR-RT) que detectam o antígeno viral. No Sabin, oferecemos o Minipainel Respiratório.

O VSR é transmitido pelas secreções do nariz ou da boca da pessoa infectada, por contato direto ou por gotículas. A transmissão começa dois dias antes de aparecerem os sintomas e só termina quando a infecção está completamente controlada. O período de maior contágio é nos primeiros dias da infecção. A incubação varia de dois a oito dias (em média quatro a seis dias).

Para adultos a partir de 60 anos, a melhor forma de prevenção é a vacinação. A nova vacina Arexvy é indicada para proteger adultos mais velhos, especialmente os de grupos mais vulneráveis: pessoas com cardiopatias, pneumopatias, diabetes, nefropatias e hepatopatias. O esquema vacinal contempla uma dose única, cuja eficácia geral é 82%.

Para a coleta dos exames, é imprescindível a apresentação dos seguintes documentos:

- TRIO (mãe, pretenso(a) filho(a) e suposto pai): RG ou passaporte ou CNH, Certidão de Nascimento de menores de idade e Declaração da Nascido Vivo (DNV) de criança ainda não registrada;

- DUO (pretenso(a) filho(a) e suposto pai): RG ou passaporte ou CNH, Certidão de Nascimento de menores de idade;

- INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE COM PAI FALECIDO (Reconstrução através dos familiares) - RG ou passaporte ou CNH, Certidão de Nascimento de menores de idade e Declaração da Nascido Vivo (DNV) de criança ainda não registrada. Apresentar certidão de óbito original do suposto pai falecido.

*Nota: Para a realização do exame DUO na ausência da mãe biológica, a criança deve ser registrada em nome do suposto pai ou deverá apresentar uma autorização da mãe para a realização do exame.

Não. O exame pode ser realizado através da solicitação das partes envolvidas com apresentação de documentos de identificação e assinatura de um termo de consentimento.

A legislação permite a realização desde que o filho(a) esteja registrado em nome do suposto pai. Porém, a mãe poderá contestar e solicitar o resultado emitido no laudo por não ter participado do processo.

Sim. A sequência de DNA de um indivíduo não é alterada por drogas, álcool, medicamentos, alimentos, idade ou estilo de vida.

Não, crianças de qualquer idade podem realizar o teste, inclusive recém-nascidos.

Sim. Neste caso, o exame é chamado de investigação de paternidade com pai falecido e a coleta será realizada nos parentes de primeiro grau do suposto pai. O índice obtido dependerá do grau de parentesco e quantidade de periciados que participar do exame. O exame de pai falecido tem prazo maior de entrega (15 dias úteis).

Sim. O teste também pode ser feito na ausência da mãe, com o DNA do filho e suposto pai. Caso o filho seja menor de idade, é necessária a autorização do pai de registro ou responsável legal.

Sim. Pacientes que tenham realizado transplante de medula e que tenham sofrido transfusões sanguíneas nos últimos seis meses. Para pacientes que tenham realizado transplante de medula ou transfusão sanguínea, a coleta deverá ser feita em saliva (raspado de células da bochecha).

Após a realização da coleta, o resultado será a partir de cinco dias úteis, dependendo da unidade de coleta e do Estado.

Não. Não é necessário jejum e nenhum outro preparo do paciente.

Sim. Apenas pessoas autorizadas que assinaram o termo de consentimento podem retirar o resultado do exame. Os profissionais do laboratório que têm acesso aos resultados também possuem um contrato de sigilo com a empresa.

Não. Optamos por não realizar desta forma, pois necessitaríamos de mais de 10 fios de cabelo retirados pela raiz para termos uma quantidade de DNA suficiente.

Os exames de DNA no Brasil não são regulados por normas de nenhuma Sociedade, Associação, Estado, ou Polícia Federal, como ocorre nos Estados Unidos, que têm regulamentação do Estado e fiscalização de um Comitê de Ciências Forenses.

Os órgãos reguladores são a American Association of Blood Bank e o FBI, sendo que o Brasil adota e segue o sistema americano. A recomendação americana é que sejam obtidos índices de paternidade igual ou superior a 10.000 e probabilidade de paternidade igual ou superior a 99,99%.

Sim, é possível contratar um profissional ou perito assistente, tanto para acompanhamento da coleta, da análise propriamente dita e do laudo feito por outro laboratório, quanto para contraprova das mesmas amostras colhidas para o teste em outro laboratório. 

Não. O resultado do Teste de Paternidade só pode ser retirado pessoalmente pelo paciente maior de idade ou responsável legal, diretamente na unidade em que realizou o exame.

Caso o paciente queira receber via correio, deverá solicitar no momento do cadastro, fornecendo endereço para envio e efetuando o pagamento de taxa de envio.

Terceiros só podem retirar o exame mediante autorização específica por escrito e assinatura do participante do exame.

Dúvidas mais buscadas:

ACESSIBILIDADE
WhatsApp